[Lenda da Polônia] Os Montes Tatra

Montanhas e lago nos Montes Tatra, na Polônia

As hordas tártaras, capitaneadas por um Grande-Cã agressivo e feroz, avançavam pelas terras polonesas, semeando a morte, o desespero e a destruição por toda parte.

A rainha Kinga pôs-se à frente de um exército e moveu-se contra o terrível inimigo. Seus homens tinham têmpera heroica, teriam combatido até o último alento para defender a pátria. Mas quando Kinga e seus homens avistaram os bárbaros, convenceram-se de que a luta não teria podido resolver-se senão com a catástrofe.

Kinga, sábia e generosa, não quis sacrificar os guerreiros, nem dizimar o exército numa aventura mortal.

— Vamos bater em retirada, com toda a ordem — recomendou ela. — Organizaremos nossa resistência nas fortalezas.

Os tártaros avançavam com ímpeto e ouvia-se um estrépito diabólico dos seus uivos selvagens, os seus espantosos gritos de guerra, o nitrido dos cavalos, o som das trombetas bélicas.

 — Os inimigos nos seguem a toda velocidade — falou um general. — Dentro em pouco nos alcançarão.

— Sim, combateremos. Eles poderão nos destruir tudo: a vida, os bens, nossos meios de defesa. Mas uma coisa os bárbaros jamais conseguirão destruir: a nossa honra.

Os guerreiros se entusiasmaram.

— A vida? Que importa a vida sem honra?

Os heróis falavam com audácia e altivez generosa. Cada um deles já havia feito, em segredo e no fundo do seu íntimo, a oferta extrema.

Kinga olhou os seus homens belos, fortes, altivos, aqueles homens que não temiam a morte, e tremeu por isso. Ouvia-se, perto, o galope frenético dos cavalos inimigos. Dentro de alguns minutos mais, teria início o choque, o sangue, o sacrifício.

A rainha deixou que passasse seu exército, parou na retaguarda, arrancou da cintura um punhal cravejado de diamantes e executou com ele alguns sinais cabalísticos. No mesmo instante, luminoso como um lençol de prata, estendeu-se um largo rio entre os seus homens e os atacantes. Os homens de Kinga puderam ganhar tempo e tomar fôlego, pois os tártaros tiveram de se deter e construir uma ponte. Alguns mais ousados, que se arriscaram a atravessar o rio a cavalo, não conseguiram chegar ao meio e foram tragados pelas águas.

Mas os tártaros eram experimentados nas lides guerreiras, de há muito estavam habituados a vadear de surpresa grandes rios em regiões totalmente selvagens; em poucos tempo, com auxílio de cordas, construíram uma ponte baloiçante que levou todo o exército para o outro lado. Recomeçou a correria, o perigo se fez presente de novo.

— Morreremos como homens — disse um general, e todos os guerreiros o aplaudiram.

Kinga, no entanto, ergueu de novo o punhal mágico, repetiu os sinais cabalísticos e, de repente, entre o exército bárbaro e os valentes defensores da pátria se ergueram, altíssimos, intransponíveis, os montes Tatra.

Foi a salvação. O chefe dos bárbaros, desanimado, só teve uma decisão a tomar: voltar para o acampamento com as tropas vandálicas a se queixarem da correria inútil.

Os Montes Tatra ficam entre a Eslováquia e a Polônia. São uma parte da cadeia montanhosa dos Cárpatos, que se estende ao leste até a Ucrânia e a Romênia.

*

Extraído da Enciclopédia Universal da Fábula, vol. XXIII. Tradução de Hilário Correia.
Imagem: Paisagem da área de Morskie Oko, nos Montes Tatra, por Wojciech Gerson. Fonte: Wikimedia Commons.

*

Gostou desta lenda da Polônia? Então você gostará também da história do rei polonês Sigismundo, o Sábio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s